Instituto de Biociências de Botucatu
Instituto de Biociências de Botucatu

     
     PESQUISA DE TESES E DISSERTAÇÕES :::

Autor : 
Orientador : 
Programa : 
Titulação : 
Título : 
Resumo : 
Abstract : 
Palavras-chave : 
Ano da defesa :  Ordenar por : 
 
Número de registros encontrados: 513
Mostram-se páginas de 15 registros cada uma
Página 18 de 35

ACESSE AS PÁGINAS COM OS RESULTADOS DA PESQUISA
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35
 
Autor :  JORGE LAÇO PORTINHO
Orientador :  MARCOS GOMES NOGUEIRA
Programa :  Ciências Biológicas em Zoologia
Titulação :  Mestrado
Título :  ASSEMBLÉIAS ZOOPLANCTÔNICAS (CLADOCERA, COPEPODA E ROTIFERA) E CONDIÇÕES LIMNOLÓGICAS NO GRADIENTE LONGITUDINAL BARRAGEM-JUSANTE DO RESERVATÓRIO DE ITAIPU, RIO PARANÁ (BRASIL, PARAGUAI E ARGENTINA)
Palavras-chave :  DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL; RESERVATÓRIOS; RIOS; VARIÁVEIS FÍSICAS, QUÍMICAS E BIOLÓGICAS; ZOOPLÂNCTON
Defesa :  18/03/11
   Visualizar Tese
Resumo :  O OBJETIVO DESTE ESTUDO FOI ANALISAR A DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL E OS ATRIBUTOS ECOLÓGICOS DAS ASSEMBLÉIAS ZOOPLANCTÔNICAS (COPEPODA, CLADOCERA E ROTIFERA) E AS VARIÁVEIS LIMNOLÓGICAS NA ZONA LACUSTRE DO RESERVATÓRIO DE ITAIPU, TRECHO DO RIO PARANÁ A JUSANTE E DESEMBOCADURA DOS RIOS IGUAÇU E MONDAY, OS QUAIS NÃO SOFREM INFLUÊNCIA DE BARRAGEM. PARA TANTO, FORAM REALIZADAS COLETAS EM DOIS PERÍODOS DISTINTOS: PERÍODO SECO (INVERNO 2009) E PERÍODO CHUVOSO (VERÃO 2010), EM NOVE ESTAÇÕES DE AMOSTRAGEM: UMA EM AMBIENTE LÊNTICO, A MONTANTE DA BARRAGEM DE ITAIPU, SEIS NO RIO PARANÁ, UMA NA FOZ RIO DO MONDAY – PARAGUAI, E OUTRA NA FOZ DO RIO IGUAÇU – BRASIL/ARGENTINA. FORAM OBTIDAS AMOSTRAS DE QUALITATIVAS, ATRAVÉS DE ARRASTOS HORIZONTAIS, E QUANTITATIVAS (TRÉPLICAS), ATRAVÉS DE ARRASTOS VERTICAIS DE 20 M (1.143 LITROS), AMBAS COM REDE DE 50 ΜM. OS SEGUINTES PARÂMETROS FÍSICOS E QUÍMICOS DA ÁGUA FORAM MEDIDOS NA REGIÃO DE SUPERFÍCIE E MEIO DO CANAL DOS RIOS: TRANSPARÊNCIA, TEMPERATURA, VELOCIDADE, PH, OXIGÊNIO DISSOLVIDO, CONDUTIVIDADE ELÉTRICA, TURBIDEZ, MATERIAL EM SUSPENSÃO (FRAÇÕES ORGÂNICAS E INORGÂNICAS), NITROGÊNIO TOTAL, FÓSFORO TOTAL, SILICATO DISSOLVIDO E BIOMASSA FITOPLANCTÔNICA (CLOROFILA A). PARA AUXILIAR NA INTERPRETAÇÃO DOS DADOS DETERMINOU-SE A RIQUEZA DE ESPÉCIES (S), O ÍNDICE DE SHANNON-WIENER (H‟), A EQUITABILIDADE DE PIELOU (J‟). FORAM FEITAS AINDA ANÁLISES DE COMPONENTES PRINCIPAIS (ACPS), DE CORRESPONDÊNCIA CANÔNICA (ACCS), DE AGRUPAMENTO POR SIMILARIDADE (UPGMA) E DE VARIÂNCIA ANOVA “TWO-WAY”, TODAS ESTAS BASEADAS NA ABUNDÂNCIA E COMPOSIÇÃO DOS MICROCRUSTÁCEOS E ROTÍFEROS. AS ACPS INDICARAM A SEPARAÇÃO DOS PONTOS ENTRE OS PERÍODOS (SECO E CHUVOSO) E AS VARIÁVEIS LIMNOLÓGICAS ATUANTES NA DIFERENCIAÇÃO. A REGIÃO A JUSANTE DA BARRAGEM DE ITAIPU, NO RIO PARANÁ, FOI DISTINTA DOS RIOS IGUAÇU E MONDAY. OBSERVOU-SE QUE ESTES DOIS ÚLTIMOS PONTOS CONTRIBUEM COM OS VALORES DE CARGAS DE NUTRIENTES E SEDIMENTOS PARA O RIO PARANÁ, PRINCIPALMENTE NO PERÍODO SECO. QUANTO À COMPOSIÇÃO TAXONÔMICA, FORAM REGISTRADOS 71 TÁXONS, ENTRE ROTIFERA (38), CLADOCERA (20) E COPEPODA (13). FORMAS JOVENS (NÁUPLIOS E COPEPODITOS) DE COPEPODA EXIBIRAM MAIOR ABUNDÂNCIA EM AMBOS OS PERÍODOS DE ESTUDOS. EM GERAL, A MAIOR DIVERSIDADE (H‟) FOI ENCONTRADA NOS PONTOS A JUSANTE DA BARRAGEM DE ITAIPU. A EQUITABILIDADE (J‟) SUGERIU TRATAREM-SE DE ASSEMBLÉIAS RELATIVAMENTE UNIFORMES NA MAIORIA DOS PONTOS E PERÍODO AMOSTRADOS. A RIQUEZA DE ESPÉCIES DIFERIU SIGNIFICATIVAMENTE (P<0,05) ENTRE OS PERÍODOS AMOSTRADOS PARA COPEPODA E CLADOCERA (ANOVA “TWO-WAY), JÁ ENTRE OS PONTOS DE AMOSTRAGEM TODOS OS TRÊS GRUPOS APRESENTARAM DIFERENÇAS SIGNIFICATIVAS. QUANTO À ABUNDÂNCIA, A MAIORIA DOS TÁXONS DE COPEPODA, CLADOCERA E RORIFERA DIFERIRAM SIGNIFICATIVAMENTE ENTRE OS PERÍODO E PONTOS AMOSTRADOS. A ANÁLISE DE AGRUPAMENTO (“CLUSTER”) SEPAROU OS RIOS IGUAÇU E MONDAY (AMBIENTES LÓTICOS), DAS REGIÕES A MONTANTE E A JUSANTE DA BARRAGEM DE ITAIPU NO RIO PARANÁ. ATRAVÉS DAS ACCS DETECTOU CORRELAÇÕES ENTRES OS PERÍODOS DE AMOSTRAGEM COM OS AMBIENTES ESTUDADOS, COMO TAMBÉM A SEPARAÇÃO ENTRE OS GRUPOS DO ZOOPLÂNCTON ADAPTADOS A AMBIENTES LÊNTICOS E LÓTICOS. POR FIM, UM DOS PRINCIPAIS FATORES QUE INFLUENCIARAM NA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL E ESTRUTURAÇÃO DA COMUNIDADE ZOOPLANCTÔNICA ESTUDADA FOI A MUDANÇA NAS CONDIÇÕES HIDROLÓGICAS, TENDO EM VISTA QUE O AUMENTO NO NÍVEL DO RESERVATÓRIO E DA VAZÃO DEFLUENTE, FAVORECE A EXPORTAÇÃO DE ESPÉCIES A JUSANTE, PROVENIENTES DE DIFERENTES COMPARTIMENTOS DO RESERVATÓRIO.
 
Autor :  JOSÉ CARLOS DA SILVA
Orientador :  ADILSON FRANSOZO
Programa :  Ciências Biológicas em Zoologia
Titulação :  Doutorado
Título :  BIOLOGIA E ECOLOGIA DOS CAMARÕES DE ÁGUA DOCE MACROBRACHIUM AMAZONICUM (HELLER 1862) E MACROBRACHIUM JELSKII (MIERS 1778) (CRUSTACEA: CARIDEA: PALAEMONOIDEA) NO RIO GRANDE, REGIÃO DE PLANURA, MG
Palavras-chave :  BIOLOGIA, ECOLOGIA, CRISTÁCEOS DE ÁGUA DOCE E CARIDEA
Defesa :  22/01/10
   Visualizar Tese
Resumo :  .
 
Autor :  JOSÉ CARLOS PANSONATO ALVES
Orientador :  PROF. DR. FAUSTO FORESTI
Programa :  Ciências Biológicas em Zoologia
Titulação :  Doutorado
Título :  ESTUDOS CITOGENÉTICOS NO GÊNERO CHARACIDIUM (TELEOSTEI, CHARACIFORMES, CHRENUCHIDAE), COM ANÁLISE ESTRUTURAL E MOLECULAR DO SISTEMA ZZ-ZW DE CROMOSSOMOS SEXUAIS
Palavras-chave :  CHARACIDIUM; CROMOSSOMOS B; CROMOSSOMOS SEXUAIS; MICRODISSECÇÃO CROMOSSÔMICA
Defesa :  19/02/10
   Visualizar Tese
Resumo :  FORAM ANALISADAS ONZE ESPÉCIES DE PEIXES DO GÊNERO CHARACIDIUM, CHARACIDIUM CF. ZEBRA, CHARACIDIUM CF. GOMESI, CHARACIDIUM LAUROI, CHARACIDIUM OITICICAI, CHARACIDIUM LANEI, CHARACIDIUM PTEROSTICTUM, CHARACIDIUM SCHUBARTI, CHARACIDIUM ALIPIOI, CHARACIDIUM SP1, CHARACIDIUM SP2 E CHARACIDIUM SP3 DE DIFERENTES BACIAS HIDROGRÁFICAS BRASILEIRAS, COM O USO DE TÉCNICAS CITOGENÉTICAS BÁSICAS (COLORAÇÃO COM GIEMSA, LOCALIZAÇÃO DAS RONS PELA MARCAÇÃO COM NITRATO DE PRATA E BANDAMENTO C) E MOLECULARES (MARCAÇÃO POR FLUOROCROMOS BASE-ESPECÍFICOS, HIBRIDAÇÃO IN SITU FLUORESCENTE COM SONDAS DE DNAR 18S E 5S, COM SONDAS TELOMÉRICAS (TTAGGG)N E COM SONDAS PARA HISTONA H1 E TAMBÉM MICRODISSECÇÃO, AMPLIFICAÇÃO E HIBRIDAÇÃO IN SITU FLUORESCENTE COM SONDAS PRODUZIDAS A PARTIR DO CROMOSSOMO SEXUAL W E DOS CROMOSSOMOS B). TODAS AS ESPÉCIES APRESENTARAM NÚMERO DIPLÓIDE DE 2N=50 CROMOSSOMOS, COM PREDOMINÂNCIA DOS CROMOSSOMOS DOS TIPOS META E SUBMETACÊNTRICOS, ALÉM DA OCORRÊNCIA DE CROMOSSOMOS SUPRANUMERÁRIOS EM C. PTEROSTICTUM, C. OITICICAI, C. CF. GOMESI E CHARACIDIUM SP3. FOI OBSERVADA TAMBÉM A OCORRÊNCIA DE UM SISTEMA ZZ-ZW DE CROMOSSOMOS SEXUAIS REPRESENTADO PELO PAR HETEROMÓRFICO NÚMERO 2 EM TODAS AS ESPÉCIES, COM EXCEÇÃO APENAS DE CHARACIDIUM CF. ZEBRA, QUE NÃO APRESENTOU CROMOSSOMOS SEXUAIS DIFERENCIADOS. O DNAR 5S FOI LOCALIZADO EM DIFERENTES CROMOSSOMOS ENTRE ESTAS ESPÉCIES, MAS SEMPRE EM POSIÇÃO INTERSTICIAL DOS CROMOSSOMOS, REFORÇANDO A IDÉIA DE QUE ESTA LOCALIZAÇÃO CROMOSSÔMICA PODERIA REPRESENTAR ALGUMA VANTAGEM RELACIONADA À ORGANIZAÇÃO DESTES GENES NO GENOMA. AS RONS, IDENTIFICADAS PELA PRATA, PELA CMA3 E PELA SONDA DE DNAR 18S, FORAM SEMPRE LOCALIZADAS EM COMPARTIMENTOS CROMOSSÔMICOS DISTINTOS DO DNAR 5S E ESTÃO DIRETAMENTE RELACIONADAS AO PROCESSO DE DIFERENCIAÇÃO DOS CROMOSSOMOS Z E W, DESEMPENHANDO IMPORTANTE PAPEL EVOLUTIVO, POIS PODERIAM INFLUENCIAR NO PAREAMENTO DESSES CROMOSSOMOS E, CONSEQUENTEMENTE, CONTRIBUIR PARA A MANUTENÇÃO DAS PERMUTAS CROMOSSÔMICAS OCORRIDAS DURANTE A PRÓFASE MEIÓTICA. A ANÁLISE DA HETEROCROMATINA CONSTITUTIVA, ATRAVÉS DO BANDAMENTO C, REVELOU QUE OS CROMOSSOMOS SEXUAIS E OS CROMOSSOMOS B SÃO HETEROCROMÁTICOS. NO ENTANTO, EM ALGUMAS ESPÉCIES, A HETEROCROMATINA DESSES CROMOSSOMOS TAMBÉM APRESENTA AFINIDADE PELOS FLUOROCROMOS DAPI E CMA3. A TÉCNICA DE PINTURA CROMOSSÔMICA, USANDO SONDAS PRODUZIDAS A PARTIR DE CROMOSSOMOS MICRODISSECADOS, FOI REALIZADA PARA TESTAR A HOMOLOGIA DOS CROMOSSOMOS SEXUAIS Z E W ENCONTRADOS EM DEZ ESPÉCIES DE CHARACIDIUM, BEM COMO TESTAR A HOMOLOGIA DOS CROMOSSOMOS B PRESENTES EM ALGUMAS ESPÉCIES. FOI PRODUZIDA UMA SONDA A PARTIR DO CROMOSSOMO W DE CHARACIDIUM CF. GOMESI, OBTIDA POR MICRODISSECÇÃO CROMOSSÔMICA E DOP-PCR, IDENTIFICADA COMO CGW. ESSA SONDA EVIDENCIOU SINAIS DE HIBRIDAÇÃO NOS CROMOSSOMOS Z E W DE TODAS AS ESPÉCIES ANALISADAS, EVIDENCIANDO HOMOLOGIAS ENTRE OS CROMOSSOMOS SEXUAIS EXISTENTES E UMA POSSÍVEL ORIGEM COMUM DESTE SISTEMA DE DIFERENCIAÇÃO SEXUAL. POR OUTRO LADO, EM CHARACIDIUM CF. ZEBRA, A HIBRIDAÇÃO COM A SONDA CGW REVELOU APENAS MARCAÇÕES TELOMÉRICAS NOS CROMOSSOMOS, APONTANDO PARA A INEXISTÊNCIA DE HOMOLOGIA ENTRE O CROMOSSOMO W E OS CROMOSSOMOS AUTOSSÔMICOS DESTA ESPÉCIE. A PARTIR DOS CROMOSSOMOS B DE C. CF. GOMESI, C. PTEROSTICTUM E C. OITICICAI FORAM PRODUZIDAS SONDAS ESPECÍFICAS PARA OS B DE CADA ESPÉCIE, ATRAVÉS DE MICRODISSECÇÃO E AMPLIFICAÇÃO POR DOP-PCR. AS SONDAS PRODUZIDAS, IDENTIFICADAS NESTAS ESPÉCIES COMO CGB, CPB E COB, RESPECTIVAMENTE, FORAM HIBRIDIZADAS SOBRE CROMOSSOMOS METAFÁSICOS DESTAS TRÊS ESPÉCIES. OS RESULTADOS MOSTRARAM QUE OS CROMOSSOMOS B DE C. CF. GOMESI E C. PTEROSTICTUM POSSUEM HOMOLOGIA ENTRE SI E COM ALGUNS CROMOSSOMOS DO COMPLEMENTO A, SUGERINDO UMA ORIGEM INTRA-ESPECÍFICA, POSSIVELMENTE RELACIONADA AO PROCESSO DE DIFERENCIAÇÃO DOS CROMOSSOMOS SEXUAIS NESTAS ESPÉCIES. POR OUTRO LADO, OS CROMOSSOMOS B DE C. OITICICAI NÃO APRESENTAM HOMOLOGIA COM OS CROMOSSOMOS DO COMPLEMENTO A E NEM COM OS CROMOSSOMOS B DE C. CF. GOMESI E C. PTEROSTICTUM, SUGERINDO UMA ORIGEM INDEPENDENTE PARA ESTES CROMOSSOMOS NESTA ESPÉCIE. ESTUDOS DESTA NATUREZA, ALÉM DE TRAZEREM INFORMAÇÕES ACERCA DA ESTRUTURAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO PRESENTE NOS CROMOSSOMOS B E NOS SEXUAIS, FORNECEM TAMBÉM SUBSÍDIOS PARA O ENTENDIMENTO DO PROCESSO DE DIFERENCIAÇÃO CROMOSSÔMICA NAS ESPÉCIES DE CHARACIDIUM ESTUDADAS.
 
Autor :  JOSÉ NILTON DA CRUZ
Orientador :  LICIANA VAZ DE ARRUDA SILVEIRA
Programa :  Biometria
Titulação :  Mestrado
Título :  ALGUMAS DISTRIBUIC ~OES DE PROBABILIDADE PARA DADOS GRUPADOS E CENSURADOS
Palavras-chave :  CENSURA INTERVALAR, FUN¸C˜AO DE VEROSSIMILHAN¸CA, WEIBULL GENERALIZADA , LOG-WEIBULL EXPONENCIADA, LOG-BURR XII
Defesa :  09/02/12
   Visualizar Tese
Resumo :  S˜AO COMUNS EXPERIMENTOS CONDUZIDOS DE FORMA A N˜AO PERMITIR A OBSERVA ¸C˜AO DO TEMPO EXATO DE OCORRˆENCIA DO EVENTO (POR EXEMPLO, MORTE), E SIM O INTERVALO EM QUE ESTE OCORREU, CARACTERIZANDO ASSIM, RESPOSTAS COM CENSURA INTERVALAR. QUANDO OS INDIV´IDUOS S˜AO AVALIADOS NOS MESMOS TEMPOS, TEM-SE UM CASO PARTICULAR DE CENSURA INTERVALAR, SENDO OS DADOS DESTE TIPO CONHECIDOS COMO GRUPADOS E CENSURADOS. DADOS GRUPADOS PODEM APRESENTAR UM GRANDE N´UMERO DE EMPATES, OU SEJA, PROPOR¸C˜AO DE EMPATE MAIOR QUE 25% (CHALITA ET AL., 2002), PODENDO SER ANALISADOS CONSIDERANDO-SE O TEMPO DISCRETO E AJUSTANDO-SE MODELOS `A PROBABILIDADE DE O INDIV´IDUO FALHAR EM UM CERTO INTERVALO, DADO QUE ELE SOBREVIVEU AO INTERVALO ANTERIOR (LAWLESS, 1982). O OBJETIVO DESTE TRABALHO ´E PROPOR MODELOS DE SOBREVIVˆENCIA PARA DADOS GRUPADOS E CENSURADOS BASEADO NAS DISTRIBUI¸C˜OES WEIBULL GENERALIZADA (MUDHOLKAR ET AL., 1996), LOG-WEIBULL EXPONENCIADA (HASHIMOTO ET AL., 2010) E LOG-BURR XII (SILVA, 2008). POSTERIORMENTE, ESTES MODELOS E OS MODELOS LOG-NORMAL GENERALIZADA E WEIBULL EXPONENCIADA EXTENDIDOS PARA DADOS GRUPADOS E CENSURADOS POR SILVEIRA ET AL. (2010), SER˜AO APLICADOS `A UM CONJUNTO DE DADOS REFERENTE A UM ESTUDO DE PACIENTES SUBMETIDOS A CIRURGIA DE DUHAMEL-HADDAD (EM QUE OS MODELOS LOG-NORMAL GENERALIZADA E WEIBULL EXPONENCIADA J´A FORAM AJUSTADOS EM SILVEIRA ET AL. (2010)), E COMPARADOS PELO CRIT´ERIO DE INFORMA¸C˜AO DE AKAIKE CORRIGIDO (AICC).
 
Autor :  JOSÉ RENATO LAINO MARTINELLI CURY
Orientador :  CIRO MORAES BARROS
Programa :  Ciências Biológicas em Farmacologia
Titulação :  Mestrado
Título :  EFICIÊNCIA DO PROTOCOLO SUPERESTIMULATÓRIO P36, ASSOCIADO À ADMINISTRAÇÃO DE ECG OU LH, EM ANIMAIS DA RAÇA NELORE
Palavras-chave :  FSH, LH, eCG, transferências de embriões, superovulação, Nelore, Bos indicus.
Defesa :  16/08/12
   Visualizar Tese
Resumo :  O PROTOCOLO DENOMINADO P36 TEM SIDO AMPLAMENTE UTILIZADO PARA INDUZIR OVULAÇÃO MÚLTIPLA E PERMITIR A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) FACILITANDO O MANEJO DE DOADORAS DE EMBRIÕES. ESTUDOS RECENTES COM O P36 INDICAM QUE A SUBSTITUIÇÃO DAS DUAS ÚLTIMAS DOSES DE FSH POR ECG PODE MELHORAR A PRODUÇÃO DE EMBRIÕES, POSSIVELMENTE POR SUA ATIVIDADE LH. OBJETIVA-SE COM O PRESENTE TRABALHO COMPARAR O PROTOCOLO P36 COM O TRATAMENTO SUPERESTIMULATÓRIO CONVENCIONAL (COM OBSERVAÇÃO DO ESTRO) E TESTAR, EM VACAS DA RAÇA NELORE, A SUBSTITUIÇÃO DA ECG PELA APLICAÇÃO SIMULTÂNEA DE FSH E LH NO ÚLTIMO DIA DE TRATAMENTO SUPERESTIMULATÓRIO. VACAS NELORE (N=16) FORAM DISTRIBUÍDAS ALEATORIAMENTE EM 4 GRUPOS: SUPEROVULAÇÃO CONVENCIONAL COM OBSERVAÇÃO DE ESTRO (CONTROLE), P36, P36/ECG E P36/FSH+LH. OS TRATAMENTOS FORAM FEITOS EM MODELO CROSS-OVER, OU SEJA TODOS OS ANIMAIS PASSARAM PELOS 4 TRATAMENTOS. NO GRUPO CONTROLE, O TRATAMENTO SUPERESTIMULATÓRIO INICIOU 10 DIAS APÓS A OBSERVAÇÃO DO ESTRO. AS APLICAÇÕES DE FSH FORAM FEITAS DURANTE 4 DIAS CONSECUTIVOS (133MG, IM), DUAS VEZES AO DIA EM DOSES DECRESCENTES. DOIS DIAS APÓS O INÍCIO DO TRATAMENTO AS DOADORAS RECEBERAM UMA DOSE LUTEOLÍTICA DE D-CLOPROSTENOL (150ΜG, IM). AS INSEMINAÇÕES FORAM REALIZADAS 12 E 24 HORAS APÓS A DETECÇÃO DO ESTRO. NO GRUPO P36, EM DIA ALEATÓRIO DO CICLO ESTRAL (D0), AS DOADORAS RECEBERAM UM DISPOSITIVO INTRAVAGINAL DE PROGESTERONA (1G) E BENZOATO DE ESTRADIOL (3 MG, IM). O FSH (133MG, IM) FOI ADMINISTRADO EM DOSES DECRESCENTES, 2 VEZES AO DIA DURANTE O D4 AO D7. NO D6, FOI APLICADO D-CLOPROSTENOL (150ΜG, IM) E O DISPOSITIVO INTRAVAGINAL FOI REMOVIDO 36H MAIS TARDE. NO DIA 8, A OVULAÇÃO FOI INDUZIDA COM 12,5MG DE PLH E OS ANIMAIS FORAM INSEMINADOS ARTIFICIALMENTE EM TEMPO PRÉ-DETERMINADO, SEM A OBSERVAÇÃO DE ESTRO, 12 E 24 HORAS APÓS A APLICAÇÃO DE PLH. AS VACAS DO GRUPO P36/ECG FORAM TRATADAS DE FORMA SEMELHANTE AO P36, EXCETO QUE AS DUAS ÚLTIMAS DOSES DE FSH FORAM SUBSTITUÍDAS POR DUAS DOSES DE 200UI DE ECG (TOTALIZANDO 400UI, IM). O PROTOCOLO DO P36/FSH+LH FOI SEMELHANTE AO GRUPO P36, PORÉM, JUNTAMENTE COM AS DUAS ÚLTIMAS DOSES DE PFSH, OS ANIMAIS TAMBÉM RECEBERAM DUAS DOSES DE 1,0MG DE PLH (2MG, VIA IM). A COLETA DE EMBRIÕES FOI REALIZADA 7 DIAS APÓS A IA. OS DADOS FORAM ANALISADOS POR ANOVA (PROC GLM, SAS). O TRATAMENTO P36/ FSH+LH DIMINUIU O NÚMERO DE EMBRIÕES VIÁVEIS (0,32±0,46) QUANDO COMPARADO AOS DEMAIS TRATAMENTOS: CONTROLE (1,73±0,48), P36 (2,07±0,48) E P36/ECG (1,76±0,46). CONCLUI-SE QUE O PROTOCOLO P36/FSH+LH NÃO É INDICADO PARA INDUZIR OVULAÇÕES MÚLTIPLAS EM VACAS DA RAÇA NELORE.
 
Autor :  JÚLIA SONSIN DE OLIVEIRA
Orientador :  CARMEN REGINA MARCATTI
Programa :  Ciências Biológicas em Botânica
Titulação :  Mestrado
Título :  VARIAÇÕES ESTRUTURAIS DO LENHO DE ESPÉCIES DE CERRADO DO ESTADO DE SÃO PAULO
Palavras-chave :  ANATOMIA DA MADEIRA; CAMADAS DE CRESCIMENTO; CÉLULAS PERFURADAS DE RAIO; ESPÉCIES DE CERRADO; XILEMA SECUNDÁRIO.
Defesa :  26/02/07
   Visualizar Tese
Resumo :  Informações sobre características anatômicas do xilema secundário de espécies de cerrado são escassas, porém de grande importância, uma vez que o cerrado é influenciado por fatores ambientais diversos e as espécies que aí se encontram apresentam características morfológicas externas e internas peculiares. Estes estudos permitem compreender a influência dos fatores ambientais nas características estruturais do lenho. O presente trabalho tem por objetivo verificar os padrões e as variações estruturais do lenho, bem como determinar possíveis características de valor taxonômico e ecológico de 48 espécies arbustivas e arbóreas, incluídas em 27 famílias, ocorrentes em área de cerrado localizada no município de Pratânia, região centro-oeste do estado de São Paulo, Brasil (23º 02’ 55,5” S e 48º 31’ 26,1” W). Foram amostrados três espécimes para cada espécie e de cada espécime foi coletado o ramo mais desenvolvido da copa. Destes ramos foram retirados discos que tiveram sua porção basal polida para as análises macroscópicas qualitativas e para as análises microscópicas quali e quantitativas das características anatômicas do lenho. Verificou-se, destas análises, a presença de células perfuradas de raio (CPR) em sete espécies e, desta forma, decidiu-se por coletar também as raízes destas espécies para averiguar a presença das CPR no lenho destas. As raízes foram coletadas a uma profundidade de aproximadamente 30 cm. Nas amostras das raízes foram realizadas análises qualitativas e quantitativas das CPR. No lenho dos ramos caulinares das espécies foram caracterizados os marcadores de crescimento, bem como foi descrita a estrutura das camadas de crescimento. Os seguintes padrões foram observados: camadas de crescimento bem definidas (61% das espécies), mal definidas (33%), e ausentes (6%); porosidade difusa (94%), anel semi-poroso (6%); sem arranjo de vasos (84%), com arranjo radial (10%) e tangencial (6%); vasos solitários e múltiplos (94%) e exclusivamente solitários (6%); placas de perfuração simples (90%) e múltiplas (10%); diâmetro tangencial dos vasos pequeno, de até 100 μm (77%) e médio, de 100 a 200 μm (23%); freqüência de vasos baixa, de 5 a 20/mm2 (65%), média, de 20 a 40/mm² (23%) e alta, de 40 a 100/mm2 (8 %); e muito alta e muito baixa, menor que 5/mm² e maior que 100/mm², respectivamente (4% cada); comprimento dos elementos de vaso médio, de 350 até 800 μm (56%), curto de até 350 μm (42%), e longo, maior que 800 μm (2%); fibras septadas (40%), fibras semelhantes ao parênquima presente nas espécies Didymopanax vinosum, Miconia albicans, M. ligustroides e Zanthoxylum rhoifolium, fibras finas a espessas (77%) e espessas (23%), e fibras gelatinosas (42%); parênquima axial em faixas e paratraqueal no mesmo lenho (35,4%), paratraqueal (31,3%), em faixas (20,8%), apotraqueal (8,3%), em faixa e apotraqueal no mesmo lenho (4,2%); raios heterocelulares (81%), homocelulares (4%) e homo e heterocelulares no mesmo lenho (15%); Células perfuradas de raio (14,5%). As células perfuradas de raio (CPR) foram encontradas nas raízes e nos ramos das espécies Didymopanax vinosum (Araliaceae), Caryocar brasiliense (Caryocaraceae), Sweetia subelegans (Fabaceae- Faboideae), Byrsonima basiloba, B. coccolobifolia, B. verbascifolia (Malpighiaceae) e Alibertia concolor (Rubiaceae) e são reportadas aqui pela primeira vez. As CPR são maiores que as células normais de raio, ocorrem isoladas ou em grupos de duas ou mais no mesmo raio e estão presentes predominantemente nas margens unisseriadas de raios multisseriados em todas as espécies. Nas raízes e nos ramos, as placas de perfuração das CPR são semelhantes as dos elementos de vaso na maioria das espécies, com exceção dos ramos de D. vinosum e raízes de C. brasiliense. Em todas as espécies estudadas os valores do diâmetro das placas das CPR foram maiores nas raízes, porém somente em D. vinosum, B. basiloba e B. verbascifolia as diferenças foram estatisticamente significativas. Nos ramos, os valores do diâmetro das placas dos EV foram maiores que os das CPR na maioria das espécies, porém somente em D. vinosum esta diferença foi estatisticamente significativa. Nas raízes, o diâmetro das placas foi maior nas CPR que nos EV somente em C. brasiliense e B. basiloba, porém esta última não apresentou diferença estatística significativa. De um modo geral, o padrão de características anatômicas encontradas na maioria das espécies de cerrado estudadas é o comum para as espécies da flora brasileira. A elevada incidência de camadas de crescimento no lenho possibilita estudos em diversas áreas, inclusive a dendrocronologia.
 
Autor :  JULIANA ABRA
Orientador :  RAOUL HENRY
Programa :  Ciências Biológicas em Zoologia
Titulação :  Mestrado
Título :  Variação sazonal da composição, abundância e diversidade de rotíferos na Lagoa do Coqueiral, lateral ao Rio Paranapanema em sua zona de desembocadura na Represa Jurumirim, SP.
Palavras-chave :  HETEROGENEIDADE ESPACIAL; LAGOA DO COQUEIRAL; ROTÍFEROS; VARIAÇÃO SAZONAL.
Defesa :  25/02/08
   Visualizar Tese
Resumo :  O objetivo deste estudo foi avaliar a variação sazonal dos rotíferos (composição, abundância e diversidade) na Lagoa do Coqueiral (zona de desembocadura do Rio Paranapanema na Represa de Jurumirim, São Paulo) e sua relação com fatores físicos, químicos e biológicos da água e nível hidrométrico do rio. As amostragens foram realizadas trimensalmente (Janeiro a Outubro de 2006), através de arrastos verticais com rede de plâncton cônica, em 3 pontos na zona pelágica de 4 áreas distintas da Lagoa do Coqueiral. Os parâmetros físicos, químicos e biológicos da água analisados foram: temperatura, transparência da água, pH, condutividade, material em suspensão, oxigênio dissolvido, nitrogênio total e fósforo total e clorofila a. Foram realizadas análises qualitativas e quantitativas da comunidade, e os dados obtidos foram tratados por análise exploratória dos dados, por análise de variância (comparação de diversidade), além da realização de correlações entre os parâmetros ambientais e a abundância das espécies encontradas. Todos os parâmetros ambientais e a clorofila a apresentaram heterogeneidade espacial (com exceção do nitrogênio total) e temporal. Os atributos diversidade, uniformidade, dominância e abundância de espécies de rotíferos mostraram variabilidade temporal, mas não espacial. O atributo riqueza de espécies destacou-se por apresentar variabilidade entre as 4 áreas de estudo. Pode-se concluir que a conectividade e a variação do nível do rio são os principais fatores controladores da heterogeneidade da comunidade de rotíferos entre períodos de estudo e na escala espacial, somente a riqueza de espécies.
 
Autor :  JULIANA AKINAGA
Orientador :  ANDRÉ SAMPAIO PUPO
Programa :  Ciências Biológicas em Farmacologia
Titulação :  Mestrado
Título :  “Investigação da dessensibilização e internalização de adrenoceptores α1A nativos e recombinantes
Palavras-chave :  ADRENOCEPTORES Α 1; DESSENSIBILIZAÇÃO; FENILETILAMINAS; IMIDAZOLINAS; INTERNALIZAÇÃO; TAQUIFILAXIA
Defesa :  28/08/08
   Visualizar Tese
Resumo :  OS Α1-ARS SÃO MEMBROS DA SUPERFAMÍLIA DE RECEPTORES ACOPLADOS À PROTEÍNA G (GPCR), PODENDO SER DIVIDIDOS EM TRÊS DIFERENTES SUBTIPOS (Α1A-, Α1B- E Α1D-ARS), SENDO TODOS SEMELHANTEMENTE ATIVADOS PELA NORADRENALINA E ADRENALINA. OS AGONISTAS SELETIVOS DE Α1-ARS PODEM SER CLASSIFICADOS EM DUAS CLASSES QUÍMICAS, AS FENILETILAMINAS E AS IMIDAZOLINAS E SÃO UTILIZADOS, POR EXEMPLO, PARA TRATAMENTO DE HIPOTENSÃO E TAMBÉM COMO DESCONGESTIONANTES NASAIS. O PRESENTE ESTUDO INVESTIGOU A CAPACIDADE DOS AGONISTAS DE Α1-ARS INDUZIREM TAQUIFILAXIA NAS CONTRAÇÕES DO DUCTO DEFERENTE DE RATO E INTERNALIZAÇÃO DE Α1A-ARS CONJUGADOS COM PROTEÍNA FLUORESCENTE VERDE (GFP) EXPRESSOS EM CÉLULAS HEK293. OS RESULTADOS MOSTRAM QUE DENTRE TODOS OS AGONISTAS TESTADOS DA CLASSE DAS FENILETILAMINAS (NORADRENALINA, METOXAMINA E FENILEFRINA) E IMIDAZOLINAS (A61603, NAFAZOLINA E OXIMETAZOLINA) APENAS A OXIMETAZOLINA FOI CAPAZ DE INDUZIR TAQUIFILAXIA EM CURVAS CONCENTRAÇÃO-RESPOSTA CONSECUTIVAS PRÓPRIAS E TAMBÉM EM CURVAS CONCENTRAÇÃORESPOSTA DE NORADRENALINA FEITAS EM PREPARAÇÕES DE DUCTO DEFERENTE DE RATO. A TAQUIFILAXIA INDUZIDA PELA OXIMETAZOLINA É DEPENDENTE DA ATIVAÇÃO DE Α1A-ARS, UMA VEZ QUE A INCUBAÇÃO CONCOMITANTE DA OXIMETAZOLINA COM O ANTAGONISTA SELETIVO DE Α1-ARS, O PRAZOSIN, INIBIU A TAQUIFILAXIA. ESTUDOS FEITOS COM MICROSCOPIA CONFOCAL UTILIZANDO Α1A-ARS CONJUGADOS COM GFP MOSTRAM QUE A OXIMETAZOLINA É CAPAZ DE INDUZIR UM AUMENTO DA FLUORESCÊNCIA INTRACELULAR JÁ NOS PRIMEIROS 5 MINUTOS DE INCUBAÇÃO ENQUANTO QUE A NORADRENALINA NÃO É CAPAZ DE INDUZIR AUMENTO DO MESMO PARÂMETRO MESMO APÓS 30 MINUTOS DE INCUBAÇÃO. ESSE AUMENTO DA FLUORESCÊNCIA INTRACELULAR É UM INDICATIVO DO PROCESSO DE INTERNALIZAÇÃO DOS Α1A-ARS CONJUGADOS COM GFP INDUZIDO PELA OXIMETAZOLINA MAS NÃO PELA NORADRENALINA E PODE ESTAR RELACIONADO COM A TAQUIFILAXIA OBSERVADA NOS EXPERIMENTOS FUNCIONAIS. ENTRETANTO, ESTUDOS ADICIONAIS MAIS PROFUNDOS DEVEM SER FEITOS PARA MELHOR COMPREENSÃO DOS MECANISMOS DE DESSENSIBILIZAÇÃO E INTERNALIZAÇÃO INDUZIDOS PELA OXIMETAZOLINA NO PRESENTE ESTUDO.
 
Autor :  JULIANA ALVES NEVES
Orientador :  DRA. PATRÍCIA JACQUELINE THYSSEN
Programa :  Ciências Biológicas - Biologia Geral e Aplicada
Titulação :  Mestrado
Título :  ANÁLISE DA DECOMPOSIÇÃO E SUCESSÃO ECOLÓGICA RELACIONADA AO SEXO E A AMBIENTE INDOOR E OUTDOOR EM CARCAÇAS DE SUÍNOS (SUS SCROFA L.) EXPOSTAS NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO
Palavras-chave :  DOPTERA; ENTOMOLOGIA FORENSE; INSECTA; IPM; MEDICINA LEGAL
Defesa :  28/08/09
   Visualizar Tese
Resumo :  A CLASSE INSECTA É UMA DAS QUE POSSUÍ O MAIOR NÚMERO DE ESPÉCIES DO REINO ANIMAL, TENDO ESTES SE PROPAGADO EM DIVERSOS AMBIENTES. DEVIDO A ISSO, HÁ GRANDE INTERESSE NESSA CLASSE, EM ESPECIAL NA ORDEM DIPTERA, JÁ QUE VÁRIAS ESPÉCIES PODEM CAUSAR DANOS ECONÔMICOS NO MEIO AGRÍCOLA, DISSEMINAR DOENÇAS OU CAUSAR MIÍASES EM HUMANOS E ANIMAIS, E TAMBÉM PELA POSSIBILIDADE DE SE USAR DADOS DESTES ORGANISMOS NO ÂMBITO MÉDICO-LEGAL, ATRAVÉS DO USO DA ENTOMOLOGIA FORENSE. CONHECENDO-SE A BIOLOGIA, O LOCAL DE OCORRÊNCIA E O COMPORTAMENTO DAS ESPÉCIES ENVOLVIDAS NO PROCESSO DE DECOMPOSIÇÃO É POSSÍVEL SE ESTABELECER ONDE O CORPO FOI INICIALMENTE COLONIZADO, ASSIM COMO ESTIMAR O TEMPO DE MORTE (IPM). PARA ISSO, SÃO NECESSÁRIAS COLETAS PRÉVIAS EM CADA LOCAL, UMA VEZ QUE A POPULAÇÃO DE DÍPTEROS PODE VARIAR DE ACORDO COM O AMBIENTE E O LOCAL. NO PRESENTE ESTUDO OBJETIVOU-SE REALIZAR UM LEVANTAMENTO FAUNÍSTICO DE INSETOS NECRÓFAGOS PRESENTES NA REGIÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE UBATUBA, SP, ASSIM COMO A RELAÇÃO DA FAUNA E DO PROCESSO DE SUCESSÃO ECOLÓGICA ENTRE CORPOS DE DIFERENTES SEXOS, EXPOSTOS A AMBIENTES ABERTO (OUTDOOR) E FECHADO (INDOOR). PARA TANTO CARCAÇAS DE SUÍNOS DOMÉSTICOS, SUS SCROFA L., DE SEXOS DIFERENTES COM APROXIMADAMENTE 10 KG FORAM EXPOSTAS EM AMBIENTE FECHADO E ABERTO, EM DUAS ESTAÇÕES DO ANO. NO ESTUDO SOBRE DIFERENTES GÊNEROS, FOI POSSÍVEL OBSERVAR QUE AS CARCAÇAS MASCULINAS ATRAEM UM MAIOR NÚMERO DE FAMÍLIAS, ENQUANTO QUE AS FEMININAS APRESENTAM UMA MAIOR ABUNDÂNCIA DE INDIVÍDUOS; EM MARÇO, APENAS UMA ESPÉCIE FOI ESPECÍFICA À CARCAÇA FEMININA, SARCOPROMUSCA PRUNA. COM RELAÇÃO AOS TIPOS DE AMBIENTES, NOTOU-SE QUE NÃO HOUVE DIFERENÇA QUANTO À DIVERSIDADE FAUNÍSTICA MAS SIM NA DINÂMICA POPULACIONAL, EVIDENCIANDO NO PADRÃO DE EMERGÊNCIA QUE NÃO FOI SIMILAR. DE FORMA GERAL, A DECOMPOSIÇÃO DAS CARCAÇAS DEPENDEU MUITO DAS VARIAÇÕES CLIMÁTICAS E BIÓTICAS DO SUBSTRATO, JÁ QUE NÃO FOI POSSÍVEL ESTABELECER UM PADRÃO QUE PUDESSE SER UTILIZADO NOS PROCESSOS DE DECOMPOSIÇÃO. EM UBATUBA A FAUNA É DIFERENTE DAS FAUNAS ENCONTRADAS EM OUTROS ESTUDOS EM ÁREAS URBANAS, JÁ QUE HÁ GRANDE PRESENÇA DE ESPÉCIES NATIVAS E NÃO DAS ESPÉCIES EXÓTICAS DO GÊNERO CHRYSOMYA. É TAMBÉM IMPORTANTE NOTAR A PRESENÇA EFETIVA DE ESPÉCIES DA FAMÍLIA MUSCIDAE, EM ESPECIAL DA ESPÉCIE OPHRYRA ANESCENCES.
 
Autor :  JULIANA CAROLINE LOURENÇÃO
Orientador :  CELSO LUÍS MARINO
Programa :  Ciências Biológicas em Genética
Titulação :  Mestrado
Título :  CARACTERIZAÇÃO DE UMA REGIÃO GENÔMICA RELACIONADA A UMA ANOMALIA DE VIVEIRO EM EUCALYPTUS
Palavras-chave :  ANOMALIA; CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR; EUCALYPTUS; GENES LETAIS
Defesa :  30/04/10
   Visualizar Tese
Resumo :  UMA ANOMALIA FOI DETECTADA NA PROGÊNIE F1 DE UM CRUZAMENTO CONTROLADO ENTRE GENITORES NORMAIS E SEM PARENTESCO DE EUCALYPTUS GRANDIS, EM UM VIVEIRO DE MUDAS PARA PLANTIOS COMERCIAIS DA EMPRESA SUZANO PAPEL E CELULOSE. AS PLANTAS ANORMAIS APRESENTARAM ALTURA REDUZIDA, SUPERBROTAMENTO CAULINAR, REDUÇÃO DRÁSTICA DA ÁREA FOLIAR E ALTERAÇÃO NA FORMA DO LIMBO DA FOLHA. A PROPORÇÃO ENTRE PLANTAS AFETADAS E NORMAIS FOI DE 3:1 (3 PLANTAS NORMAIS : 1 PLANTA ANÔMALA), SUGERINDO UMA SEGREGAÇÃO MENDELIANA DO CARÁTER, QUE FOI CONFIRMADA PELO TESTE DO QUI-QUADRADO (Χ 2=2,32; P>0,1). ATRAVÉS DA TÉCNICA DE BSA (BULKED SEGREGANT ANALYSIS) UTILIZADA EM CONJUNTO COM MARCADORES RAPD (RANDOM AMPLIFIED POLYMORPHIC DNA) FOI POSSÍVEL IDENTIFICAR UM MARCADOR LIGADO A ESSA ANOMALIA DE EUCALIPTO, O QUAL FOI CONVERTIDO EM SCAR (SEQUENCE CHARACTERIZED AMPLIFIED REGION). A SEQUÊNCIA SCAR APRESENTOU IDENTIDADE A SEQUÊNCIAS EXPRESSAS DE EUCALIPTO DO BANCO DE DADOS DE ESTS (EXPRESSED SEQUENCE TAGS) DO PROJETO FORESTS-FAPESP, PORTANTO, ENCONTRA-SE EM UMA REGIÃO DO GENOMA QUE PODE ESTAR ENVOLVIDA DIRETA OU INDIRETAMENTE COM O CARÁTER DA ANOMALIA. DIANTE DO EXPOSTO, ESTE TRABALHO TEVE COMO OBJETIVO A CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DESSA REGIÃO GENÔMICA RELACIONADA À ANOMALIA OBSERVADA EM MUDAS DE EUCALIPTO. NA ANÁLISE DE LIGAÇÃO DAS MARCAS, MOLECULAR E MORFOLÓGICA, ESTAS APRESENTARAM-SE LIGADAS A UMA DISTÂNCIA DE 0,0 CM COM 0% DE FREQÜÊNCIA DE RECOMBINAÇÃO (LOD= 1000), DEMONSTRANDO QUE O MARCADOR MOLECULAR ESTÁ RELACIONADO À ANOMALIA. A SEQUÊNCIA SCAR APRESENTOU SIMILARIDADE A UM EST DE 632 PB DO BANCO DE DADOS GENBANK E A UM CONSENSO DE 841PB DO BANCO DE DADOS FORESTS-FAPESP, OS QUAIS APRESENTARAM O DOMÍNIO BET V 1, UMA FAMÍLIA DE PROTEÍNAS RELACIONADAS À DEFESA DA PLANTA. COMO A REGIÃO EM ESTUDO ESTÁ RELACIONADA A UMA FAMÍLIA MULTIGÊNICA, ESTA SE APRESENTOU EM VÁRIAS CÓPIAS NO GENOMA DE EUCALIPTO, DIFICULTANDO SUA CLONAGEM. TANTO PELA ANÁLISE REALIZADA NO BANCO DE DADOS FORESTS-FAPESP QUANTO PELO GENBANK PÔDE-SE OBSERVAR QUE A IDENTIDADE DO SCAR AOS ESTS RESTRINGE-SE À REGIÃO 5’ DO SCAR. ATRAVÉS DA TÉCNICA DE 3’RACE, FOI POSSÍVEL VERIFICAR QUE A PORÇÃO 3’ DO EST ESTÁ COMPLETA E QUE POSSIVELMENTE A REGIÃO 3´ DO SCAR, QUE NÃO APRESENTA IDENTIDADE AO EST, SEJA UM ÍNTRON. O MARCADOR SCAR, QUANDO TESTADO NOS INDIVÍDUOS INTEGRANTES DOS BULKS ANÔMALO E NORMAL, SEGREGOU CONFORME O MARCADOR RAPD. PORÉM, QUANDO O MARCADOR SCAR FOI TESTADO EM UM NÚMERO MAIOR DE INDIVÍDUOS DA F1, ESTE NÃO APRESENTOU A EFICIÊNCIA ESPERADA. UM POLIMORFISMO DE DOIS PARES DE BASES NO SÍTIO DE PAREAMENTO DO PRIMER RAPD, NA REGIÃO 3’UTR DO GENE, IDENTIFICADO ATRAVÉS DA ANÁLISE DA SEQUÊNCIA SCAR NO BANCO DE DADOS DO GENOMA DE EUCALIPTO (EUCALYPTUSDB), FOI QUE IMPOSSIBILITOU O PAREAMENTO DO PRIMER RAPD EM INDIVÍDUOS NORMAIS DA POPULAÇÃO F1 ESTUDADA. ESSA ALTERAÇÃO DE APENAS DUAS BASES NÃO FOI SUFICIENTE PARA QUE O PRIMER SCAR DETECTASSE O POLIMORFISMO E APRESENTASSE A EFICIÊNCIA ESPERADA.
 
Autor :  JULIANA FERREIRA DA SILVA
Orientador :  LUIS FERNANDO BARBISAN
Programa :  Ciências Biológicas - Biologia Geral e Aplicada
Titulação :  Mestrado
Título :  “EFEITOS DA TEMPERATURA E DO MATE (Ilex paraguariensis) SOBRE O PROCESSO DE CARCINOGÊNESE DE ESÔFAGO EM RATOS WISTAR MACHOS.”
Palavras-chave :  TEMPERATURA; MATE
Defesa :  17/09/08
   Visualizar Tese
Resumo :  O consumo de mate em altas temperaturas tem sido considerado um fator de risco para o desenvolvimento do carcinoma epidermóide de esôfago (CE) na América do Sul. Desta forma, os efeitos da ingestão de mate sobre danos de DNA e a carcinogênese de esôfago, induzidos pela dietilnitrosamina (DEN) e injúria térmica, foram avaliados em ratos Wistar machos. Na fase de iniciação, os animais foram iniciados com injeções i.p. da DEN (8 x 80 mg/Kg p.c.) e submetidos a injúria térmica (água a 65 0C, 1ml/rato, instilado no interior do esôfago) e receberam, concomitantemente, mate (2.0% p/v, grupo teste) ou chá-verde (2.0% p/v, grupo controle positivo) como única fonte de líquidos por oito semanas. Nenhum tratamento adicional foi introduzido durante a fase de pós-iniciação (nona a vigésima semana do experimento). Amostras de sangue periférico foram coletadas quatro horas após a última administração da DEN para o teste do cometa na oitava semana e amostras de esôfago e fígado foram coletadas na oitava e vigésima semanas do experimento. Na oitava semana, a ingestão de mate e chá-verde por si não foi genotóxica e reduziu de forma significativa os níveis de danos no DNA de leucócitos de sangue periférico nos animais tratados com a DEN. Além disso, uma redução significativa nos níveis de proliferação celular no epitélio do esôfago e no parênquima hepático e no número de lesões hepáticas pré-neoplásicas foram também observadas nos grupos iniciados e que receberam mate ou chá-verde. Na vigésima semana, uma menor incidência de neoplasias de esôfago e fígado foi observada nos grupos que receberam previamente mate e chá-verde quando comparado ao grupo iniciado pela DEN e submetido à injúria térmica. Os resultados do presente estudo indicam que a ingestão de mate se mostrou benéfica contra danos no DNA e a carcinogênese de esôfago e fígado induzidos pela DEN.
 
Autor :  JULIANA GRIESE
Orientador :  REINALDO JOSÉ DA SILVA
Programa :  Ciências Biológicas - Biologia Geral e Aplicada
Titulação :  Mestrado
Título :  HELMINTOFAUNA DE VERTEBRADOS ATROPELADOS EM RODOVIAS DA REGIÃO DE BOTUCATU, SÃO PAULO.
Palavras-chave :  Animais silvestres; Atropelamento de fauna; Helmintofauna de vertebrados; Parasitologia
Defesa :  06/07/07
   Visualizar Tese
Resumo :  O presente estudo relata a ocorrência de helmintos em exemplares de Cerdocyon thous (Carnivora, Canidae) atropelados nas rodovias da região de Botucatu, São Paulo, Brasil. Sete espécies de helmintos foram identificadas e suas prevalências (P) e intensidade média de infecção (IMI) foram: Ancylostoma braziliense no intestino delgado (P = 33,3%; IMI = 3,7), Ancylostoma buckleyi no intestino delgado (P = 55,6%; IMI = 7,2), Rictularia sp. no intestino delgado (P = 44,4% IMI = 11), Angiostrongylus vasorum no pulmão (P = 22,2% IMI = 7), Athesmia heterolecithodes na visícula biliar (P = 22,2%; IMI = 10,5), Diphyllobothrium sp. no intestino delgado (P = 1) e Oncicola canis no intestino delgado e grosso (P = 1). O estudo registra pela primeira vez a ocorrência de A. braziliensis e A. heterolecithodes em C. thous, o que demonstra que ainda há muito a se conhecer sobre a fauna parasitária deste canídeo, sendo que a utilização de animais atropelados é uma alternativa viável para estudos helmintológicos de animais silvestres in situ.
 
Autor :  JULIANA IZABEL DOS SANTOS
Orientador :  MARCOS ROBERTO DE MATTOS FONTES
Programa :  Ciências Biológicas - Biologia Geral e Aplicada
Titulação :  Mestrado
Título :  “ESTUDOS ESTRUTURAIS COM FOSFOLIPASES A2 HOMÓLOGAS DO VENENO DE SERPENTES DO GÊNERO Bothrops: PROPOSIÇÃO DE UM NOVO SÍTIO MIOTÓXICO”
Palavras-chave :  ESTUDOS ESTRUTURAIS
Defesa :  10/09/07
   Visualizar Tese
Resumo :  OS ASPECTOS CIENTÍFICO, MÉDICO E SOCIAL QUE ENVOLVEM AS SERPENTES DO GÊNERO BOTHROPS SÃO DE GRANDE INTERESSE PARA O BRASIL, VISTO QUE ESTES ANIMAIS SÃO RESPONSÁVEIS POR CERCA DE 90% DOS ACIDENTES OFÍDICOS QUE OCORREM EM NOSSO PAÍS. ASSIM, DEVIDO À VASTA VARIEDADE DE EFEITOS FARMACOLÓGICOS DAS PROTEÍNAS QUE COMPÕEM OS VENENOS DESTES RÉPTEIS, O ESTUDO APROFUNDADO DESTAS TOXINAS PODE SER DE GRANDE UTILIDADE NA BUSCA DE NOVOS MEDICAMENTOS. UM DOS PRINCIPAIS COMPONENTES DO VENENO BOTRÓPICO SÃO AS FOSFOLIPASES A2 (PLA2S), ENZIMAS COM ATIVIDADE CATALÍTICA SOBRE FOSFOLIPÍDIOS DE MEMBRANA E QUE TAMBÉM APRESENTAM DIVERSAS OUTRAS ATIVIDADES, DENTRE AS QUAIS PODEMOS CITAR A ATIVIDADE MIOTÓXICA. O PRESENTE TRABALHO MOSTRA O ESTUDO DE DUAS PLA2S MIOTÓXICAS DE VENENOS DE SERPENTES NAS FORMAS NATIVA E COMPLEXADAS COM Α-TOCOFEROL, UM INIBIDOR DESTAS TOXINAS , ATRAVÉS DA TÉCNICA DE CRISTALOGRAFIA DE RAIOS X; ALÉM DISSO, ESTUDOS ESTRUTURAIS COMPARATIVOS ENTRE AS ESTRUTURAS OBTIDAS E OUTRAS JÁ EXISTENTES TAMBÉM FORAM REALIZADOS NA TENTATIVA DE CONHECER MELHOR O MODO DE INTERAÇÃO DESTAS PROTEÍNAS COM A MEMBRANA MUSCULAR. APÓS AS ANÁLISES, APONTAMOS OS RESÍDUOS QUE PROVAVELMENTE CONSTITUEM O SÍTIO MIOTÓXICO DAS PLA2S DE SERPENTES DO GÊNERO BOTHROPS. O CONHECIMENTO DESTE SÍTIO PODE SER BASTANTE IMPORTANTE PARA QUE ESTAS SEJAM INIBIDAS DE MANEIRA EFETIVA, O QUE PODE LEVAR AO DESENVOLVIMENTO DE TERAPIAS MAIS EFICAZES NO QUE DIZ RESPEITO AO ENVENENAMENTO BOTRÓPICO.
 
Autor :  JULIANA LETÍCIA DE FAZIO
Orientador :  CARMEN SILVIA FERNANDES BOARO
Programa :  Ciências Biológicas em Botânica
Titulação :  Doutorado
Título :  MENTHA PIPERITA CULTIVADA COM VARIAÇÃO DE CÁLCIO. TROCAS GASOSAS E ÓLEO ESSENCIAL
Palavras-chave :  LAMIACEAE, MENTA, CÁLCIO, TROCAS GASOSAS, ÓLEO ESSENCIAL;
Defesa :  20/12/11
   Visualizar Tese
Resumo :  EMBORA O CÁLCIO TENHA SIDO EXTENSIVAMENTE ESTUDADO, O METABOLISMO DESTE MACRONUTRIENTE PRECISA SER MELHOR AVALIADO, UMA VEZ QUE ESTE ELEMENTO ATUA COMO MENSAGEIRO SECUNDÁRIO NAS VIAS DE TRANSDUÇÃO DE SINAL EM CÉLULAS VEGETAIS E, DEVIDO ÀS VARIAÇÕES EM SUA CONCENTRAÇÃO CELULAR, ATUA POR MEIO DE PROTEÍNAS MODULADORAS E SUAS MOLÉCULAS-ALVO, REGULANDO VÁRIOS PROCESSOS CELULARES, INCLUINDO DESDE O CONTROLE DO TRANSPORTE IÔNICO ATÉ A EXPRESSÃO GÊNICA. NESTE CONTEXTO, EXISTEM DÚVIDAS SOBRE O EFEITO DO CÁLCIO NO DESENVOLVIMENTO DAS PLANTAS, NAS TROCAS GASOSAS E NA ROTA DE PRODUÇÃO DOS ÓLEOS ESSENCIAIS, ESPECIALMENTE NO RENDIMENTO E COMPOSIÇÃO QUÍMICA. ESTE ESTUDO OBJETIVOU AMPLIAR O CONHECIMENTO SOBRE ASPECTOS DO METABOLISMO DO CÁLCIO EM MENTHA PIPERITA, UMA ESPÉCIE MEDICINAL E AROMÁTICA, QUANDO CULTIVADA EM SOLUÇÃO NUTRITIVA. AVALIOU-SE A INFLUÊNCIA DA VARIAÇÃO DOS NÍVEIS DE CÁLCIO NOS ÍNDICES FISIOLÓGICOS, NAS TROCAS GASOSAS E NO RENDIMENTO E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO ÓLEO ESSENCIAL. PARA TANTO, AS PLANTAS FORAM CULTIVADAS DURANTE SEU DESENVOLVIMENTO EM SOLUÇÃO NUTRITIVA NO 2 DE HOAGLAND & ARNON CONTENDO 160 MG L-1 DE CÁLCIO E MODIFICADA PARA FORNECIMENTO DE 200, 120, 80 E 40 MG L-1. AOS 45, 65, 85, 105 E 140 DIAS APÓS O TRANSPLANTE (DAT) DAS MUDAS PARA A SOLUÇÃO DE CULTIVO, FORAM AVALIADOS OS ÍNDICES FISIOLÓGICOS ÁREA FOLIAR, MATÉRIA SECA DE LÂMINAS FOLIARES E TOTAL, ALÉM DO RENDIMENTO E DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO ÓLEO ESSENCIAL. PARA ANÁLISE DAS VARIÁVEIS DAS TROCAS GASOSAS FOI UTILIZADO SISTEMA ABERTO PORTÁTIL DE FOTOSSÍNTESE (LI-6400, LI-COR INC., NE, USA), DETERMINANDO-SE, AOS 65, 85 E 105 DAT, A ASSIMILAÇÃO DE CO2, TRANSPIRAÇÃO, CONDUTÂNCIA ESTOMÁTICA, CONCENTRAÇÃO INTERCELULAR DE CO2 E EFICIÊNCIA DO USO DA ÁGUA. PARA AS AVALIAÇÕES DO ÓLEO ESSENCIAL FOI REALIZADA A EXTRAÇÃO POR HIDRODESTILAÇÃO EM APARELHO TIPO CLEVENGER DETERMINANDO-SE O SEU RENDIMENTO E POR CROMATOGRAFIA GASOSA ACOPLADA A ESPECTROMETRIA DE MASSA, A COMPOSIÇÃO QUÍMICA. OS RESULTADOS OBTIDOS PERMITIRAM CONCLUIR QUE OS ÍNDICES FISIOLÓGICOS FORAM INFLUENCIADOS PELA VARIAÇÃO DO NÍVEL DE CÁLCIO NA SOLUÇÃO DE CULTIVO. O AUMENTO DE CÁLCIO FOI BENÉFICO PARA DESENVOLVIMENTO DE ÁREA FOLIAR E PRODUÇÃO DE MATÉRIA SECA NO FINAL DO DESENVOLVIMENTO. NÍVEIS DE CÁLCIO ABAIXO DO UTILIZADO NA SOLUÇÃO NUTRITIVA COMPLETA, OU ACIMA DELE, INFLUENCIARAM DE MODO DISCRETO AS TROCAS GASOSAS. A VARIAÇÃO DE CÁLCIO NA SOLUÇÃO NUTRITIVA INFLUENCIOU DE MODO DISCRETO O RENDIMENTO DE ÓLEO ESSENCIAL, INTERFERINDO COM A SUA COMPOSIÇÃO QUÍMICA, QUE TAMBÉM VARIOU COM O DESENVOLVIMENTO DA ESPÉCIE. ÓLEO ESSENCIAL DE MENTA EM QUANTIDADE ADEQUADA E COM QUALIDADE SATISFATÓRIA PODE SER OBTIDO COM O SEU CULTIVO EM SOLUÇÃO CONTENDO 40 E 80 MG L-1 CA2+. AS PLANTAS CULTIVADAS COM 40 MG L-1 DEVEM SER COLHIDAS AOS 65 DAT E AQUELAS COM 80 MG L-1, AOS 65 OU 85 DAT.
 
Autor :  JULIANA LETÍCIA DE FAZZIO
Orientador :  CARMEN SILVIA FERNANDES BOARO
Programa :  Ciências Biológicas em Botânica
Titulação :  Mestrado
Título :  CÁLCIO E ETHEPHON NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL DE MENTA (Mentha Piperita L.), CULTIVADA EM SOLUÇÃO NUTRITIVA
Palavras-chave :  LAMIACEAE; MENTA; NUTRIÇÃO MINERAL; REGULADORES VEGETAIS.
Defesa :  28/02/07
   Visualizar Tese
Resumo :  A Mentha piperita L., planta aromática da família Lamiaceae, é uma espécie de grande interesse econômico na obtenção de óleos essenciais. Seu óleo é amplamente empregado como aditivo de alimentos, em produtos de higiene bucal e em preparações farmacêuticas. Este estudo objetivou avaliar a influência da variação do nível de cálcio em solução nutritiva, associada à aplicação de ethephon, no desenvolvimento e na produção do óleo essencial de menta. O experimento foi conduzido em casa de vegetação do Departamento de Botânica do Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, UNESP, Botucatu, SP. Para tanto, as plantas foram cultivadas em solução nutritiva no 2 de Hoagland & Arnon, contendo 160 mg L-1 de cálcio e na mesma solução com sua redução para 50%, 80 mg L-1 e 90%, 16 mg L-1 e submetidas à pulverização foliar com 100, 200 e 400 mg L-1 de ethephon, onde permaneceram até as datas de colheitas, realizadas aos 46, 76, 106 e 136 dias após o transplante das mudas para a solução nutritiva. O delineamento foi inteiramente casualizado com doze tratamentos, constituídos por três níveis de cálcio e quatro doses de ethephon, quatro repetições e quatro colheitas. A aplicação do ethephon, via foliar, foi realizada em quatro épocas, com intervalos de 30 dias, tendo início aos 31 dias após transplante das mudas para a solução nutritiva. Em cada colheita foram determinados, o comprimento de parte aérea, a área foliar, a matéria seca de lâminas foliares, de caules mais pecíolos, de raízes e total das plantas. Para a análise de crescimento foram determinados os índices fisiológicos, taxa de crescimento absoluto (TCA), taxa de crescimento relativo (TCR), taxa assimilatória líquida (TAL), razão de área foliar (RAF) e área foliar específica (AFE). O óleo essencial foi extraído da parte aérea das plantas, constituída pelos caules, pecíolos e lâminas foliares, por hidrodestilação em aparelho tipo Clevenger, durante uma hora e meia. Após a destilação, o rendimento do óleo foi medido em g 100 g-1 de matéria seca. O comprimento de parte aérea, a área foliar, a matéria seca de lâminas foliares, de caules mais pecíolos, de raízes e total das plantas, os índices fisiológicos RAF, AFE, TCA, TAL e TCR, além do rendimento de óleo essencial foram influenciados pela redução do nível de cálcio na solução nutritiva e pela utilização de ethephon. Com exceção da AFE e do rendimento de óleo essencial, com maiores teores nas plantas cultivadas com 160 mg L-1 de cálcio, as demais variáveis apresentaram melhor comportamento quando as plantas foram cultivadas com 80 mg L-1. Assim, pode-se sugerir nível excessivo de cálcio na solução completa. No entanto, sugere-se a avaliação da composição química do óleo essencial para aferir a qualidade quando as plantas foram cultivadas com 80 mg L-1 de cálcio, uma vez que embora aos 136 DAT essas plantas tenham apresentado adequado rendimento de óleo, ele não atingiu os teores apresentados pelas plantas cultivadas com 160 mg L-1 de cálcio. De maneira geral, a redução do nível de cálcio para 16 mg L-1 prejudicou o desenvolvimento e o rendimento de óleo essencial. O ethephon também influenciou o desenvolvimento das plantas de menta. Sua utilização nas dosagens de 200 e 400 mg L-1, associada a todos os níveis de cálcio e, em especial, ao menor e igual a 16 mg L-1, reduziu todas as variáveis avaliadas, acima referidas, prejudicando o desenvolvimento da menta e o rendimento de seu óleo essencial, principalmente a partir dos 106 DAT. Com base nos resultados obtidos, sugere-se que a influência da associação do nível de cálcio com diferentes doses de ethephon, no desenvolvimento e produção de óleo essencial das plantas de menta, possa ter ocorrido devido à relação existente entre a concentração celular deste íon e a biossíntese de etileno, considerando a participação do cálcio na atividade das enzimas ACC sintase e ACC oxidase, que apresentam importante papel na referida biossíntese. No entanto, estudos futuros deverão ser realizados para a confirmação dessa hipótese. Palavras-chave: Lamiaceae, menta, reguladores vegetais, nutrição mineral.